.
pisc! é um projeto idealizado por Sissy Eiko e muitos outros sonhadores que abraçaram a causa. Começou com um fanzine recheado de coisas chamado Sonhos, depois um menor chamado Cochilo, e então saiu o pisc!, um pequenino fanzine 9x9cm, mas cheio de experimentações gráficas. Desta vez, seguimos com o nome pisc!, porém no formato cartão postal. São 6 postais no tamanho 10x15cm, 300gr, colorido frente e verso, com a frente brilhante! Cada postal foi criado por uma dupla de artistas: o poeta escreve, passa para o ilustrador desenhar; depois, o ilustrador desenha e passa para o poeta discutir sobre, bater o martelo e (eba!) postal pronto!
.
Nessa coleção contamos com:
Artes – Jozz, Sissy Eiko, Dann Thomas, Gui Ortenblad, Juliana Carvalho e Victor Silva
Letras – Alejandro Farias (argentino), Ivan Antunes, Elisa Andrade Buzzo, Júlio Castro e Ana Paula Ferraz
.
Faremos o lançamento da coleção pisc! de postais no dia 18 de dezembro às 19hs
(na Livraria HQMix – Praça Roosevelt, 142 – SP)

sissyeiko_beatrizmilhazes

eu não sei se já vi uma bromélia

Ontem eu tive a impressão de ter visto uma bromélia. Enfim, pra ser sincero eu não sei bem se era, já que eu acho que nunca vi uma bromélia antes. Mas eu estava passando perto de sua casa e me lembrei daquele dia em que seu tênis desamarrou e estava chovendo bastante e eu parei pra amarrar. E me ajoelhei e sujei todo meu joelho de lama e você pra me sacanear tirava o pé toda hora e eu comecei a correr atrás de você. Nos sujamos de barro naquele dia e pelo que me lembro não tinha nenhuma bromélia por lá. Ou podia até ter, já que eu não sei se antes disso eu já tinha visto uma bromélia. Nós rimos tanto naquele dia da chuva porque você passou um dedo de barro no meu rosto e eu passei um pouco de lama em seu cabelo, ou acho que foi o vinho que tínhamos tomado sob aquele sol frio de outono, ou foi o riso frouxo que sempre fez parte do nosso repertório de músicas bregas, ou sei lá, só rimos porque estávamos felizes naquele dia de chuva em que seu cadarço desamarrou e eu abaixei para amarrar. E tomamos banho de chuva pra limpar a lama do rosto, do joelho, do pé, do cabelo. E enrugamos os dedos de tão molhados. E ficamos nos beijando na garoa. E corremos como loucos atrás de um chuveiro quente. E naquele dia eu fui tão feliz que doía demais o medo de não ser tão feliz no dia seguinte. E eu não sei se fui. Não… não sei se me expressei bem. Não é que não tenha sido feliz em outros dias. É que não sei falar de outros dias tão bonitos como aquele. Assim como não sei falar das bromélias. É que não sei se já as vi. E não sei se os senti. Mas eu acho que vi uma bromélia hoje. Que eu nem sei se era uma bromélia de verdade.

Júlio Castro

sissyeiko_pordosol